>>>Seja o primeiro a começar o ano em Kiribati
Foto: Kiribati National Tourism Office

Seja o primeiro a começar o ano em Kiribati

É um dos países menos visitados do mundo e seus habitantes serão os primeiros a dar as boas-vindas a 2018. Celebre o Ano-Novo com eles neste paraíso inexplorado.
R

ecebe menos de 6.000 turistas por ano e um deles foi o escritor Robert Louis Stevenson. No século XIX, o autor de “A Ilha do Tesouro” visitou uma das 33 ilhas coralinas deste arquipélago. Mas isso não foi suficiente para torná-lo um destino paradisíaco popular e, por isso, mantém todas as suas qualidades: praias de areia branca, águas azul-turquesa, um passado exótico e um futuro incerto.

Kiribati é um arquipélago minguante. “Nosso país é 99,99977% água”, afirma a equipe do posto de informações turísticas. Uma porcentagem que não deixa de crescer. Os habitantes fazem campanha contra a mudança climática porque sabem que suas casas estão em perigo. Mas não se rendem e continuam celebrando cada ano como se fosse o último. E são os primeiros a fazê-lo. Três horas antes de Sydney, na Austrália, e quase um dia antes de Los Angeles, nos Estados Unidos, com 21 horas de diferença. Lembram com carinho especial a chegada do novo milênio. Caroline Island, na zona sul, passou a se chamar Millennium Island para ressaltar esse marco.

Só 21 das 33 ilhas são habitadas.

Presente para o capitão Cook

A Christmas Island, Kiritimati na língua local, foi batizada pelo famoso explorador inglês James Cook quando desembarcou ali no dia 25 de dezembro de 1777. E o primeiro hotel da ilha agora lhe devolve o favor: seu nome é Captain Cook Hotel.

Singularidades não lhe faltam: é o único país do mundo situado nos quatro hemisférios (norte e sul, respeito à linha do Equador, e leste e oeste, com relação ao meridiano de Greenwich) e um dos mais remotos, praticamente no coração do Pacífico. A zona habitada mais próxima é o Havaí, a 4.000 quilômetros de distância. A área marinha protegida das ilhas Phoenix (PIPA ou “Phoenix Islands Protected Area”, em inglês) também é a maior desse oceano e parte de seus domínios. Conta com oito recifes circulares e dois recifes submarinos, o que corresponde a uma superfície do tamanho do estado norte-americano da Califórnia. Com mais de 800 espécies de animais, 12 montanhas submersas e corais “tal e como eram há milhares de anos”, transformou-se no primeiro lugar de Kiribati a ser considerado Patrimônio Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Com recifes de coral intactos e uma abundante vida marinha, o arquipélago é perfeito para praticar mergulho. A maioria das escolas e operadores turísticos encontra-se na capital, Tarawa, e na Christmas Island. Peixes tropicais, grandes mamíferos e jardins de coral coloridos esperam por aqueles que se aventuram a desbravar as águas transparentes que rodeiam as ilhas.

A área protegida das ilhas Phoenix possui 408.250 quilômetros quadrados de biodiversidade marinha.

O surfe e a pescaria são outras de suas principais atividades. Esta última é quase uma exclusividade da Christmas Island. Kiritimati, como é conhecida localmente, é um dos melhores pontos em todo o mundo para a pesca com mosca. Também para a pesca do peixe ubarana. Como é comum ouvir em seu centro turístico, lá “não existe mau dia de pesca”. O maior atol coralino do mundo, com 388 quilômetros quadrados, é também o lugar perfeito para a observação de aves.

A temporada do surfe em Kiribati vai de outubro a março.

A natureza e as atividades aquáticas são protagonistas, mas uma viagem a Kiribati não estaria completa sem a convivência com seus moradores. A população costuma se reunir no maneaba, edifício feito de blocos de coral, madeira de coqueiro e folhas e que é o maior prédio da cidade. Ali, dançam e contam histórias. Para aproveitar ao máximo sua cultura, é recomendável viajar no mês de julho, quando ocorrem as comemorações da independência do país.

O turismo não está muito desenvolvido e os alojamentos são simples, apenas com o imprescindível. Isso porque Kiribati é um destino para quem procura curtir as coisas simples da vida. Só para autênticos viajantes. Quer ser um dos 6.000 eleitos?

Artigos relacionados

Austrália: abraçada pelo mar

O oceano indomável de um lado, a natureza selvagem do outro. Duas faixas separam o mundo terrestre do marinho e...

Nimbin: a volta aos anos 1970

Comunidades ainda ativas, trailers com o símbolo da paz e camisetas psicodélicas em plena natureza. Viajamos no tempo até Nimbin,...

Christchurch: a cidade improvisada

Há cinco anos um terremoto arrasou a segunda maior cidade da Nova Zelândia. Houve algo que não destruiu: o caráter...

A onda mais temida do mundo

Percorrer o tubo da onda taitiana Teahupoo é o sonho de qualquer surfista. Sair dela de pé, porém, é outra...