>>>Piratas, jacarés e outras histórias
Foto: Pirates Week Festival

Piratas, jacarés e outras histórias

As praias locais revelam lendas de exploradores e tesouros e, uma vez por ano, suas ruas enchem-se de bandeiras negras com estampas de caveiras. Bem-vindos ao território pirata das ilhas Cayman.
P
recisamos nos perder para encontrar destinos inalcançáveis; caso contrário, todos saberiam onde ficam.” A frase é do capitão Barbossa, um dos personagens mais conhecidos da saga “Piratas do Caribe”, que pediu “emprestadas” algumas ilhas caribenhas para suas aventuras, como as Cayman.
As plácidas águas azul-turquesa são um convite ao sossego, mas este lugar idílico, situado a 290 quilômetros da Jamaica, entre Cuba e Honduras, serviu de abrigo para piratas e foi ponto de encontro de marinheiros durante os séculos XVI, XVII e XVIII.
O lema da edição 2016 do festival é “A Era do Romance”.
Foto: Pirates Week Festival

Outra forma de mergulhar

Uma das atividades mais divertidas do festival é a caça ao tesouro submarino. Os participantes tentam não acabar “com seus ossos no fundo do mar”. Mergulhar nas águas azul-turquesa do Caribe é uma prática que faz parte do prêmio.

Em 1503, Cristóvão Colombo foi o primeiro a descobrir estas ilhas repletas de tartarugas e crocodilos durante sua quarta viagem ao Novo Mundo. No entanto, foi um corsário, o inglês Francis Drake, que as batizou em 1586. Depois de quase um século e meio, na primavera de 1717, uma pequena passagem marítima foi capturada nas costas da Grand Cayman. O líder da incursão era um marinheiro britânico exilado chamado Edward Teach, com barba espessa e uma temível reputação. Tratava-se do implacável Barba Negra. E ele não desembarcou aqui por acaso.
As ilhas Cayman tinham se transformado na base preferida de colonos e exploradores de todos os tipos, pois sua estratégica localização geográfica permitia atacar navios espanhóis. E o surgimento de colônias inglesas, francesas e holandesas na região foi aproveitado pelos piratas para criar centros de manutenção e abastecimento de barcos.
Não vá embora sem antes nadar com raias e fazer um mergulho na zona de recifes. O melhor lugar é Stingray City, na ilha Grand Cayman.

O sabor do Caribe

O Food Festival, encontro gastronômico para saborear os pratos típicos das ilhas Cayman em restaurantes e pontos de venda ambulantes, está marcado para o dia 13 de novembro, uma sexta-feira. A sopa de tartaruga ou o tradicional rondón, peixe refogado no leite de coco, são imprescindíveis.

Hoje em dia, a sombra de paraíso fiscal persegue as ilhas Cayman. São o quinto centro financeiro do mundo e sua população, cerca de 60.000 pessoas, conta com o melhor nível de vida de todo o Caribe. Mas isso não impede seus moradores de reivindicar com orgulho esse passado de esconderijo pirata. Por isso, desde 1977, organiza o Pirates Week, evento que costuma reunir mais de 35.000 pessoas. “Em nenhum outro lugar do Caribe é possível fazer isso, em nenhum outro lugar dá para se fantasiar durante mais de uma semana para uma festa de piratas”, afirma Melanie McField, diretora do festival. “Também mostramos nossa história, música e gastronomia.”
Animais de estimação têm seu próprio desfile virtual de fantasias: o Pirates Pooch Parade.
Foto: Pirates Week Festival
Em 2016, acontece entre dez e 20 de novembro. A maioria das atividades ocorre em George Town, capital da Grand Cayman. No dia 12 de novembro, os piratas invadem a cidade a partir do mar e atacam o porto de Hog Sty Bay com duas fragatas. A tradição é “capturar” o governador e tomar posse da ilha durante uma semana para, por fim, ser expulsos até o ano seguinte.
Crianças e adultos tiram a poeira do armário, põem uma venda no olho, encaixam um gancho na mão e saem em busca de aventuras. Entre os homens, as fantasias preferidas são de tripulante de convés, com chapéu, colete, camisa branca e pistola; já entre as mulheres, as de pirata de alto mar, com vestidos de espartilho, meia-calça, chapéu e espada.
Durante dez dias, as ruas das ilhas Cayman ficam “de plantão” e se enchem de shows, fogos de artifício, concursos de fantasias e desfiles. Um dos mais espetaculares é o Illumination Parade. Realizado de noite, seus integrantes vestem coletes salva-vidas luminosos para marchar ao som de animadas canções entre prédios coloniais de tons pastel. Porque, como diria o capitão Jack Sparrow: “Nem todos os tesouros são ouro e joias”.
 

Artigos relacionados

Ilhas Cayman, não apenas para milionários

Que razões existem para visitar as Ilhas Cayman, mesmo que você não tenha milhões para abrir uma conta nos bancos...

500 anos de pura cerveja

Em abril de 1516 o duque Guilherme IV da Baviera proclamou a Reinheitsgebot, a lei da pureza da cerveja. Cinco...

Ilha do Fogo: do bacalhau à arte

Nos anos 90, a Ilha do Fogo vivia da pesca. Afetada pela crise, esta pequena ilha canadense foi transformada em...

Nimbin: a volta aos anos 1970

Comunidades ainda ativas, trailers com o símbolo da paz e camisetas psicodélicas em plena natureza. Viajamos no tempo até Nimbin,...