>>>Seja o primeiro a começar o ano em Kiribati
Foto: Kiribati National Tourism Office

Seja o primeiro a começar o ano em Kiribati

É um dos países menos visitados do mundo e seus habitantes serão os primeiros a dar as boas-vindas a 2018. Celebre o Ano-Novo com eles neste paraíso inexplorado.
R

ecebe menos de 6.000 turistas por ano e um deles foi o escritor Robert Louis Stevenson. No século XIX, o autor de “A Ilha do Tesouro” visitou uma das 33 ilhas coralinas deste arquipélago. Mas isso não foi suficiente para torná-lo um destino paradisíaco popular e, por isso, mantém todas as suas qualidades: praias de areia branca, águas azul-turquesa, um passado exótico e um futuro incerto.

Kiribati é um arquipélago minguante. “Nosso país é 99,99977% água”, afirma a equipe do posto de informações turísticas. Uma porcentagem que não deixa de crescer. Os habitantes fazem campanha contra a mudança climática porque sabem que suas casas estão em perigo. Mas não se rendem e continuam celebrando cada ano como se fosse o último. E são os primeiros a fazê-lo. Três horas antes de Sydney, na Austrália, e quase um dia antes de Los Angeles, nos Estados Unidos, com 21 horas de diferença. Lembram com carinho especial a chegada do novo milênio. Caroline Island, na zona sul, passou a se chamar Millennium Island para ressaltar esse marco.

Só 21 das 33 ilhas são habitadas.

Presente para o capitão Cook

A Christmas Island, Kiritimati na língua local, foi batizada pelo famoso explorador inglês James Cook quando desembarcou ali no dia 25 de dezembro de 1777. E o primeiro hotel da ilha agora lhe devolve o favor: seu nome é Captain Cook Hotel.

Singularidades não lhe faltam: é o único país do mundo situado nos quatro hemisférios (norte e sul, respeito à linha do Equador, e leste e oeste, com relação ao meridiano de Greenwich) e um dos mais remotos, praticamente no coração do Pacífico. A zona habitada mais próxima é o Havaí, a 4.000 quilômetros de distância. A área marinha protegida das ilhas Phoenix (PIPA ou “Phoenix Islands Protected Area”, em inglês) também é a maior desse oceano e parte de seus domínios. Conta com oito recifes circulares e dois recifes submarinos, o que corresponde a uma superfície do tamanho do estado norte-americano da Califórnia. Com mais de 800 espécies de animais, 12 montanhas submersas e corais “tal e como eram há milhares de anos”, transformou-se no primeiro lugar de Kiribati a ser considerado Patrimônio Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Com recifes de coral intactos e uma abundante vida marinha, o arquipélago é perfeito para praticar mergulho. A maioria das escolas e operadores turísticos encontra-se na capital, Tarawa, e na Christmas Island. Peixes tropicais, grandes mamíferos e jardins de coral coloridos esperam por aqueles que se aventuram a desbravar as águas transparentes que rodeiam as ilhas.

A área protegida das ilhas Phoenix possui 408.250 quilômetros quadrados de biodiversidade marinha.

O surfe e a pescaria são outras de suas principais atividades. Esta última é quase uma exclusividade da Christmas Island. Kiritimati, como é conhecida localmente, é um dos melhores pontos em todo o mundo para a pesca com mosca. Também para a pesca do peixe ubarana. Como é comum ouvir em seu centro turístico, lá “não existe mau dia de pesca”. O maior atol coralino do mundo, com 388 quilômetros quadrados, é também o lugar perfeito para a observação de aves.

A temporada do surfe em Kiribati vai de outubro a março.

A natureza e as atividades aquáticas são protagonistas, mas uma viagem a Kiribati não estaria completa sem a convivência com seus moradores. A população costuma se reunir no maneaba, edifício feito de blocos de coral, madeira de coqueiro e folhas e que é o maior prédio da cidade. Ali, dançam e contam histórias. Para aproveitar ao máximo sua cultura, é recomendável viajar no mês de julho, quando ocorrem as comemorações da independência do país.

O turismo não está muito desenvolvido e os alojamentos são simples, apenas com o imprescindível. Isso porque Kiribati é um destino para quem procura curtir as coisas simples da vida. Só para autênticos viajantes. Quer ser um dos 6.000 eleitos?

Artigos relacionados

O fim do mundo está na Tasmânia

Three Capes Track abriu ao público com a promessa de “despertar os sentidos”. A rota de trekking mais esperada pelos...

Pista de aeroporto cruzada por linha de trem

O único aeroporto do mundo cuja pista é atravessada por uma linha de trem fica na Nova Zelândia. Operado pelo...

As ilhas do fim do mundo

No oceano Pacífico, as Ilhas Marquesas flutuam como fragmentos de um mundo perdido. Não é o paraíso dos resorts, mas...

Proibido não pecar

Amantes da Nutella, o paraíso existe! Aki Daikos e Simon Kapatos atingiram o sucesso com seus Tella Balls, batidos de...