>>>Segredo do vinho canadense
Os lagos ao redor da região vinícola canadense moderam as temperaturas do ar e protegem as colheitas.
Foto: Wines of British Columbia, WineBC.com

Segredo do vinho canadense

A província Colúmbia Britânica transformou o Canadá no destino da moda para “enoturistas” e casais de plantão. Descubra a resposta canadense para a região vinícola norte-americana Napa Valley.
C

hovem comparações, mas nenhuma a traduz de verdade. A província Colúmbia Britânica, no Canadá, é como se fosse a região vinícola de Napa Valley, nos Estados Unidos, só que mais ao norte. Ou mesmo a versão canadense da também ianque Flórida. Protegida pelas montanhas Coast Mountains da umidade do Pacífico, conta com um microclima com condições semelhantes às do deserto. Mas essa designação não veio por ter uma temperatura média de 20ºC, mas sim por seu contraste com os campos gelados do resto do país.

A analogia com Napa Valley tem muito a ver também com o clima da Colúmbia Britânica, já que suas temperaturas extremas permitem a produção de vinhos surpreendentes. Desde vinhos de gelo, cujas uvas são colhidas a temperaturas negativas, até os famosos merlots, vinhos aromáticos e aveludados. Na época do crescimento da uva, recebem duas horas extras de sol em comparação com Napa Valley, paraíso do vinho californiano. E isso com a vantagem de a Colúmbia Britânica ser ainda um recanto por descobrir.

Mission Hill Family Estate Winery
Mission Hill Family State é uma das adegas mais famosas do vale de Okanagan. Realiza visitas guiadas e workshops de culinária.
Foto: Wines of British Columbia, WineBC.com

Doce inverno

Quando acaba a colheita, começa a temporada do vinho de gelo. As uvas permanecem nos vinhedos até que as temperaturas desçam a 8ºC negativos, entre novembro e fevereiro. O vinho chega à mesa sob a forma de um doce “líquido dourado”, ideal para sobremesas.

Suas primeiras vinhas foram plantadas em 1859. Poucos apostavam na região, muito ao norte para o crescimento da uva. Mas estavam enganados. Se, na época, havia apenas 17 adegas, outras 200 decidiram se unir à iniciativa no início dos anos 1990. Hoje, recebem cerca de um milhão de visitantes por ano, e seus vinhos são cada vez mais valorizados, especialmente os vinhos de gelo, nos quais são especialistas. O Canadá é o maior produtor mundial dessa variedade de vinho e, em 2015, recebeu 2.100 prêmios. Até Karen MacNeil, autora do livro “A Bíblia do Vinho”, elogiou sua “sensação de pureza”. Uma pureza que, afirmou, estava ilustrada na paisagem: ar fresco e água do lago. “Etérea e cativante.”

A ilha de Vancouver, o vale do rio Fraser e as ilhas do Golfo fazem parte desta região vinícola canadense, mas 90% dos vinhedos ficam nos vales de Okanagan e Similkameen, a quatro horas de Vancouver. Ocupam as encostas, rodeadas de lagos como Osoyoos ou Kelowna. Perto desta bacia foi onde nasceu a tradição vinícola da Colúmbia Britânica. Aqui, encontra-se a adega mais antiga, Calona Vineyards, em funcionamento desde 1932, e outras 29, distribuídas por cinco rotas do vinho.

Burrowing Owl Vineyards, Oliver, BC
A maioria das adegas oferece alojamento. O Burrowing Owl Place, por exemplo, tem piscina ao ar livre, jacuzzi e um ótimo café da manhã.
Foto: Wines of British Columbia, WineBC.com

Festa o ano inteiro

No vale de Okanagan, o vinho é celebrado em todas as estações. Os festivais incluem degustações, entregas de prêmios e muito queijo (a melhor companhia para uma taça com a bebida). Além disso, no verão, há muitas adegas que organizam piqueniques e espetáculos ao ar livre.

Existem roteiros panorâmicos como Lakeshore Wine Route, que passeia pela orla do lago Okanagan, e experiências gourmet parecidas com a Westside Wine Trail, que incluem visitas ao Quail’s Gate, lugar especialista em combinar vinhos com ingredientes locais. No cardápio, destaca-se o pato, acompanhado de vinho feito com uvas pinot noir, e a vitela, que vem com uma garrafa da bebida da produtora Cache Creek. A rota Kelowna FabFive percorre cinco adegas distribuídas ao longo de cerca de oito quilômetros, entre elas The Vibrant Vine – única com uma sala de degustações decorada com arte em 3D. É uma das mais ativas, com música ao vivo e espetáculos ao ar livre durante o verão.

Cena entre viñedos en Okanagan Valley
Os 43 restaurantes do vale de Okanagan funcionam também como adegas e são lugares perfeitos para provar um bom vinho na companhia de pratos locais.
Foto: Wines of British Columbia, WineBC.comFoto: Wines of British Columbia, WineBC.com

Aos shows da The Vibrant Vine somam-se outras atividades como ioga, caiaque e caminhada. No outono, também é possível participar da vindima de várias adegas e até mesmo da cerimônia de pisar uvas, como propõe a Dirty Laundry Vineyard. Mas há muito mais: stand up paddle, aulas de culinária ou maratonas com piquenique regado a vinho. A região vinícola canadense é muito mais do que degustar a bebida em um local com vistas para um lago. Comparações ou apelidos sobram.

Artigos relacionados

A gastronomia brilha na Costa do Sol

As três novas estrelas atribuídas pelo Guia Michelin 2016 a restaurantes da Costa do Sol demonstra a renovação gastronômica do...

Pantelleria, o mirante siciliano da África

Ilha vulcânica com um pé na Itália e outro na África, a Pantelleria é a pérola negra do Mediterrâneo. Suas...

Nova York para além dos arranha-céus

Longe da agitação de Manhattan, o estado norte-americano tem muito para oferecer. Descubra a faceta desconhecida de Nova York.

Apenas para fãs

Não se trata de ser bom em alguma coisa, trata-se de ser o melhor. Estas lojas e restaurantes arriscaram e...