Bali

A ilha dos deuses

Bali nos convida a mergulhar em suas águas, dançar de máscara no rosto até o amanhecer, caminhar por florestas rodeadas de vulcões e meditar em um templo no alto de uma falésia.
T

odas as manhãs, Alit se debruça em seu barco e solta uma pequena oferenda flutuante sobre o mar. Feita de folhas de bananeira entrelaçadas, contém arroz, incenso, flores e doces. De olhos fechados, faz movimentos hipnóticos com as mãos enquanto recita uma oração. “Faço isso por mim mas também por vocês; acho que vamos ver muitos peixes hoje”, afirma, observando seu presente ir para longe no embalo das ondas. “Vou levá-los a um lugar que jamais esquecerão.” Hoje Alit é nosso capitão e vai nos mostrar seus lugares submarinos favoritos no litoral de Nusa Penida, pequena ilha a 35 minutos de Bali e famosa entre mergulhadores. Dizem que ir até lá é como viajar no tempo e conhecer a Bali de décadas atrás, antes de que fosse transformada em um destino turístico paradisíaco para luas de mel ou retiros espirituais.

Todos os balineses fazem oferendas diariamente e com o maior cuidado para honrar suas divindades.

Ao contrário dos demais indonésios, muçulmanos em sua maioria, 90% dos balineses praticam um hinduísmo que, há seculos, incorporou crenças budistas, animistas e ancestrais. Este sincretismo religioso, aliado a um caráter sustentável e comunitário, faz com que a população local tenha sempre algo a celebrar. Calcula-se que, em Bali, existam cerca de 20 mil templos para quatro milhões de habitantes. O caos que se vive nas cidades e estradas dá lugar à ordem nos templos, onde a manutenção da harmonia entre o bem e o mal é a prioridade nas cerimônias realizadas. O templo-mãe de Besakih ou o célebre Tanah Lot, banhado pelo mar, são os mais venerados.

A relação dos balineses com a cultura, as artes e o divino é diária. “Quando dançamos para o público, estamos fazendo isso, na verdade, para os deuses; é uma expressão de respeito e criatividade”, revela a bailarina Cok Ratih. Segundo ela, a cultura tradicional balinesa permanece viva porque incorpora, de maneira cuidadosa, histórias e influências de outros lugares. As danças representam histórias do extenso poema épico Mahabharata hindu, as peças teatrais buscam inspiração no teatro de sombras chinês e as máscaras relembram a estética japonesa. Na década de 1930, o artista mexicano Miguel Covarrubias previu a possibilidade de a cultura balinesa desaparecer e, por isso, passou uma temporada na ilha com o fim de imortalizá-la em fotografias e desenhos. Porém, suas tradições continuam vivas. Tanto é assim que muitos jovens preferem participar de uma orquestra de gamelão, conjunto de instrumentos típicos como gongos e tambores, a jogar em um time de futebol.

Templo budista submarino

Bali fica no chamado Triângulo de Corais do Pacífico, área com a maior biodiversidade marinha do mundo - sete vezes maior do que a observada no Caribe. Seus lugares mais famosos para mergulho são as ilhas de Nusa Penida e Nusa Lembongan, a leste, e a ilha de Menjangan, a oeste. “Quando mergulhar entre corais e descobrir peixes com mil cores e formas, ou tomar fôlego para chegar até um templo budista subaquático da década de 1950, você não vai querer mais fazer outra coisa”, ressalta Andrew, biólogo marinho e guia de mergulho.

Na chamada “ilha dos deuses”, até o ambiente natural possui uma dimensão quase divina. A natureza também é objeto de celebração e oferendas: enormes árvores ancestrais presidem os templos, vulcões abrigam os espíritos e deuses protetores da ilha e tanto rios como o mar são fontes de vitalidade e purificação. As águas das sete cachoeiras de Sekumpul, que chegam a 80 metros de altura, caem com uma força sobrenatural sobre os banhistas. Estão localizadas em uma das zonas mais selvagens e frondosas do norte da ilha, no vale de Singaraja – região que contrasta com a paisagem ordenada do centro de Bali, onde há 19.500 hectares dedicados à plantação de arroz em degraus ou terraços. Esta paisagem foi reconhecida pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como Patrimônio da Humanidade pelo seu sistema especial de irrigação, conhecido como subak, que distribui a água de forma equitativa por toda a ilha.

Em Bali, tudo ganha um sentido de comunidade: a cerimônia de cremação, caracterizada por enormes torres funerárias, é um exemplo perfeito disso. Em uma delas, com a forma de um touro gigante, ardia o corpo de um falecido cujo neto estava presente na celebração. Ele nos contou que familiares e amigos participam destes rituais de maneira festiva. “Isso afasta os maus espíritos e ajuda a alma a encontrar o bom caminho.” Aqui, a vida é entendida como um ciclo no momento presente.

Muitos jovens preferem participar de uma orquestra de gamelão a jogar em um time de futebol.

“Só me dei conta de que todo mundo está sempre sorrindo por aqui quando passei uma temporada no exterior”, confessa Ketut Siandana, arquiteto e responsável pelo hotel NusaBay Menjangan. “Por isso, gosto de ver as pessoas levarem a lembrança de que, em Bali, existe um sentimento de união e harmonia transmitido em todas as direções.”

Brincando com os deuses do mar

O surf é uma das atividades que atraem mais turistas estrangeiros. O domínio das ondas pode ser entendido como uma batalha ou um jogo com os deuses do mar, pelos quais os balineses nutrem enorme respeito. “Hoje há muitas pessoas por aqui, as ondas não são agressivas; mas mais para o sul, em Uluwatu, é outra história”, garante um monitor do esporte na praia de Canggu. Ele se refere ao lugar onde, na década de 1970, o surfista Gerry López descobriu uma das ondas mais lengendárias do mundo, transformando a zona no território favorito dos australianos.

Endereços úteisCompartir

Jl. Petitenget, Denpasar, Kabupaten Badung
Jl. Lanyahan, Banjar Nagi, Ubud, Gianyar
Jimbaran, Kuta Selatan, Badung
Kotal Beach, West Bali National Park, Banyuasri, Kec. Buleleng, Kabupaten Buleleng
JL. Sari dewi No. 12, Basangkasa Seminyak., Jl. Sari Dewi, Kuta-Bali
Jalan Raya Seminyak No. 21, Kuta
Jl. Petitenget No. 51B, Seminyak, Kuta, Kabupaten Badung
Jalan Batu Mejan No. 8, Canggu, Kuta Utara, Badung
Jalan Raya Jungut Batu, Jungutbatu, Nusapenida, Jungutbatu
Jl. Monkey Forest, Ubud
Making of
Outros Passengers 6A
Federico Sánchez
Arquiteto
“O homem não existe nu”
Ler entrevista >
Virgilio Martínez
CHEF E EMPRESÁRIO
“É preciso experimentar todos os sabores de Lima”
Ler entrevista >
Gaggan Anand
Chef do restaurante Gaggan
“Não escolhi Bangkok, foi o destino”
Ler entrevista >