>>>Próxima parada: futuro

Próxima parada: futuro

É um pássaro? É um avião? Não! É o Hyperloop, primeiro trem que voa a 1200 quilômetros por hora e desaparece em um piscar de olhos.
S
ão 30 minutos. O tempo necessário para ouvir o nono álbum dos Beatles, Yesterday and Today, ou para fazer uma atualização do Windows. Em 2021, esse também será o tempo de uma viagem de cerca de 600 quilômetros entre Los Angeles e São Francisco, nos Estados Unidos. Para se ter uma ideia, um avião completa esse percurso em 45 minutos. E isso só será possível graças ao trem supersônico que está sendo desenvolvido pela empresa norte-americana Hyperloop One. O novo meio de transporte poderá atingir os 1200 quilômetros por hora, o dobro da velocidade recorde do trem mais rápido do mundo no momento, o japonês Maglev.
O teste previsto para o fim do ano sairá por 80 milhões de dólares e será realizado com cápsulas e velocidade reais.

Os números do Hyperloop

As cápsulas sairão de dois em dois minutos para garantir um espaço de separação de 37 quilômetros entre elas. Cada uma terá capacidade para 28 passageiros e dimensões de 1,30 metro de largura por 1,10 metro de altura.

Para viajar, será preciso embarcar em cápsulas especiais flutuantes de alumínio, que levitam dentro de túneis com pressão atmosférica reduzida. Como? O sistema é similar ao do avião, que se move a 900 quilômetros por hora. Esta velocidade só é possível porque, quanto maior a altura, menor é a resistência do ar. A ideia da Hyperloop One é recriar o mesmo ambiente em um sistema fechado e fazer uso das energias solar, eólica (obtida do vento) e cinética (ligada ao movimento dos corpos), respeitando assim o meio ambiente. Dessa forma, o sistema de transporte de Futurama, desenho animado criado pelo roteirista Matt Groening, torna-se realidade. Na série, a população de uma grande cidade do século XXXI evita o trânsito viajando a velocidades descomunais por túneis pneumáticos.
“É uma mistura de trem de alta velocidade, um Concorde e uma mesa de hóquei sobre o ar.” Essa é definição do projeto feita pelo sul-africano Elon Musk, visionário tecnológico que começou a desenvolvê-lo em 2013. Mas esta não é sua primeira ideia genial: além de fundar o sistema de pagamentos online PayPal, fabrica carros elétricos e envia provisões para a Estação Espacial Internacional usando foguetes privados. “Elon Musk vai mudar o futuro da humanidade; poderia doar a ele toda a minha fortuna”, disse Larry Page, CEO e fundador do Google.
Também está prevista a criação de cápsulas de maior tamanho para o transporte de veículos.
O trem também vai estar preparado para transportar carga em 2019, mas já superou seu primeiro teste no deserto de Nevada (EUA). A equipe passou da teoria à prática com a construção de trilhos especiais que permitiram a um protótipo do tamanho de um carro chegar a 190 quilômetros por hora em dois segundos. Outro teste, desta vez em escala e velocidade reais, está previsto para o fim deste ano. O local será um túnel de dois quilômetros de comprimento.
Segundo Elon Musk, o Hyperloop será o quinto meio de transporte mais popular depois do trem, do barco, do carro e do avião.
Os experimentos são as primeiras provas de viabilidade de um projeto concebido para transportar mais de dez milhões de pessoas por ano. Onde? O Hyperloop vai estrear na Califórnia (EUA), mas, segundo seu inventor, qualquer trajeto inferior a 1500 quilômetros pode ser rentável. Quanto? Os preços podem parecer tão exorbitantes como sua velocidade, mas, na prática, é precisamente o contrário. “O uso de um sistema de levitação elimina a necessidade de estações elétricas; por isso, os custos de construção seriam baixos”, garante o diretor da start-up, Bibop Gresta. Segundo Musk, conectar Los Angeles a São Francisco por meio do Hyperloop custaria seis bilhões de dólares. E os passageiros poderiam pagar cerca de 20 dólares por uma passagem de ida: quantia insignificante para tornar realidade, ou quase, o sonho tão ansiado por todos: o teletransporte.

Artigos relacionados

O sonho de Gary Nader

O museu LAAM, em Miami, vai abrir as portas no final de 2016. O objetivo é tornar-se na mais importante...

Hotel Watergate, à prova de espiões

Quase 50 anos após a queda de Nixon, o hotel que testemunhou uma das maiores conspirações políticas dos Estados Unidos...

Onde Deus pôs o Oeste

Utah e Arizona compartilham o Monument Valley, mas este há de sempre pertencer a John Ford que, mesmo não tendo...

Encontros fora de série

Se é mais romântico do que Ted Mosby e deseja um encontro digno de ser contado aos seus futuros filhos,...