>>>Os planos mais assustadores de Halloween

Os planos mais assustadores de Halloween

Colocar-se na pele de um detento, caminhar por uma viela mal-assombrada ou “dormir” em um hotel cercado por fenômenos estranhos. Que tal um Halloween sem fantasias?
E

squeça Freddy Krueger, Chucky e outros personagens da ficção. As histórias contadas sobre os lugares abaixo aconteceram mesmo. Visitá-los durante o Halloween provoca verdadeiro pânico. Nos demais dias, também.

Parque dos monstros – Jardins de Bomarzo (Bomarzo, Itália)

Uma das inscrições deste parque diz: “Vocês que vão pelo mundo, errantes e tratando de ver maravilhas, venham aqui, onde há rostos de horrendos elefantes, leões, ursos, ogros e dragões”. Com este convite, o príncipe Pier Francesco Orsini dava a conhecer sua criação grotesca. As aterradoras esculturas incluem, por exemplo, gárgulas (pássaros monstruosos) e um cão de três cabeças. Sua existência infeliz pode ser a explicação para esta excentricidade: era corcunda, cresceu sem mãe e perdeu sua jovem (e infiel) esposa.

Os escritores Oscar Wilde e Mark Twain eram clientes habituais do Langham Hotel.

Pensão completa com fantasma incluído

“As torneiras do banheiro se abriram de repente sem nenhuma razão”, garantiu Stuart Broad, da seleção inglesa de críquete, durante sua estada no luxuoso hotel Langham de Londres, no Reino Unido. Acredita-se que é o lar de sete fantasmas, sendo o quarto 333 o mais assombrado.

Atrás das grades – Karosta Prison Hotel (Liepaja, Letônia)

Você dormiria em uma antiga prisão onde, durante quase um século, milhares de homens sofreram e morreram? Durante a Segunda Guerra Mundial, o presídio de Karosta era o destino de pessoas condenadas por Hitler por deserção. Nenhum recluso conseguiu escapar de lá. Os viajantes mais atrevidos assinam um consentimento para que possam ser humilhados pelos guardas durante toda a madrugada. Também dormem em camas de ferro até serem acordados aos gritos, mandados para uma ducha gelada e enviados para um interrogatório.

No submundo – Mary King’s Close (Edimburgo, Escócia)

Um dos becos mais frequentados da cidade no século XVII, o Mary King’s Close foi diretamente relacionado com a transmissão da epidemia de peste que matou inúmeras pessoas na época. Daí surgiu a história de que, após ver os infectados circulando como zumbis pela viela ou de corpos serem acumulados pelos seus cantos, o acesso ao local teria sido fechado, evitando assim o aumento dos contágios e condenando seus moradores à própria sorte. Esse é o caldo de cultivo de uma série de lendas de fantasmas entrelaçadas com esse ambiente estreito, lúgubre e sem ventilação. O mais famoso deles é o de Annie, uma menina abandonada ali pelos pais. Em 2003, foi reaberto ao público como atração turística.

Os visitantes do Mary King’s Close costumam levar bonecas e ursos de pelúcia para o fantasma da menina Annie.
Foto: The Real Mary King’s Close

Ondas de sangue – Changi Beach (Cingapura, Cingapura)

Já se passaram mais de 70 anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial e os pescadores locais continuam garantindo que ainda hoje aparecem crânios presos às suas redes. Milhares de pessoas foram torturadas pelos militares japoneses na Malásia e em Cingapura, onde a praia de Changi foi um dos primeiros lugares escolhidos para realizar as execuções. Os visitantes asseguram que ouvem gritos e choros, afirmando ter visto até manchas de sangue na areia. Quem não tem medo dos espíritos visita o lugar para assistir a um dos pores do sol mais espetaculares desse país.

O Beelitz-Heilstatten funcionou como hospital militar soviético na Segunda Guerra Mundial.

Hospital dos ditadores – Beelitz-Heilstatten (Potsdam, Alemanha)

Nos dias de hoje, é cenário de filmes como “O Pianista”, de Roman Polanski, mas foi palco de horrores bastante reais durante anos. Em 1898, foi criado aqui um hospital para tuberculosos. Durante a Primeira Guerra Mundial, acolheu soldados feridos do exército alemão, entre eles Adolf Hitler. O hospital tratou também o ex-ditador Erich Honecker, que sofria de câncer de fígado. Com seu abandono em 1994, passou a ser um cemitério de escombros. Apesar do estado de degradação, muitos se atrevem a visitá-lo.

Artigos relacionados

O deserto que engoliu Kolmanskop

Teve a sua época dourada durante a primeira metade do século XX, graças aos diamantes que as suas terras escondiam....

Os melhores resorts espirituais

Buda dizia que a paz vem do interior e não é preciso procurá-la no mundo exterior, mas numa infinity pool...

Hotel Watergate, à prova de espiões

Quase 50 anos após a queda de Nixon, o hotel que testemunhou uma das maiores conspirações políticas dos Estados Unidos...

A nova cara do Ritz Paris

El mítico hotel Ritz de París reabre al público fiel a la obsesión por los detalles de su fundador, César...