>>>Ode ao bar espanhol
Foto: DryMartini

Ode ao bar espanhol

Com 260 mil estabelecimentos, a Espanha é o país com maior densidade de bares do mundo. Dos clássicos aos mais vanguardistas, estes são os que você não pode perder.
N
a Espanha, mil pessoas morrem por ano praticando esporte e 47, na mesa de um bar. Você decide.” Ou: “Aqui há cervejas mais frias que o coração de um ex”. As frases fazem parte da literatura de bar espanhola, escritas com giz nas lousas das portas desses locais. Elemento-chave da cultura e indicador confiável da saúde econômica, o negócio dos bares representa 15% do Produto Interno Bruto (PIB) espanhol, o dobro da média europeia. São segundos lares para muitos espanhóis em um país que tem um estabelecimento para cada 175 pessoas.
No Tickets, há sanduíches como o de pão ‘ciabatta’ com recheio de enguia defumada e cobertura de soja.
Foto: Tickets

O paraíso de Homer Simpson

Na Espanha, Homer não sentiria a falta do bar do Moe. Não só pela quantidade de bares do país, mas também porque, pela primeira vez na história, o consumo de cerveja em território espanhol superou os 3500 milhões de litros em 2015. A bebida representa mais de 56% do crescimento do setor.

Zonas especialmente turísticas, como o sul peninsular e as ilhas Baleares e Canárias, destacam-se em relação ao resto do país. A região de Andaluzia tem tantos bares como a Noruega, Finlândia, Dinamarca e Irlanda juntas. São 47 mil estabelecimentos ao todo: 17% do total em território espanhol. Música flamenca de fundo, decoração taurina e um pátio repleto de gerânios fazem do bar El Pimpe, em Málaga, a melhor tradução do bar típico andaluz. No Bodeguita Romero, em Sevilha, o carro-chefe é a ‘tapa’ piripi, um pequeno sanduíche ou ‘montadito’ de bacon, queijo, lombo, tomate e maionese. Espetinho de cervo, bacalhau à ‘carbonara’ ou ‘foie’ com geleia de abacaxi fazem do bar Puratasca, no bairro sevilhano de Triana, uma das propostas gastronômicas da moda da capital andaluza.
 
Na Espanha, diversos bares contam com mesas e ambientes ao ar livre.
Foto: Carlos Luján

Aprender línguas

Em um bar, é possível encontrar o amor da sua vida, dançar ao som de música ao vivo, saborear gostosas refeições e ainda aprender idiomas. Entre uma degustação e outra, espanhóis e estrangeiros alternam conversas em várias línguas para melhorar a fluência e conhecer gente. No Carmencita Bar, as noites de terça-feira são dedicadas a “cervejas e conversas”. Um plano perfeito para aprender inglês enquanto se petisca.

Madri e Barcelona têm até mapas de metrô em versão boêmia, nas quais as estações são substituídas por bares. Na capital espanhola, a Casa Camacho (parada Tribunal) continua se orgulhando de sua tradição. Abriu as portas em 1928 e, desde então, pouca coisa mudou. No bairro de Malasaña, o local promove o encontro de modernos óculos retrô com cabelos brancos. Em determinados momentos do dia, seu chão transforma-se em um mar de palitos: os ‘hipsters’ aglomeram-se em frente ao balcão para provar um dos melhores vermutes de torneira da cidade enquanto os míticos avôs optam por comida caseira, genebra e vermute. Outro lugar imprescindível é a Casa Lucio. Situado na rua Cava Baja, seus ovos estrelados – os mais famosos do mundo – conseguiram atrair personalidades como Tom Cruise, David Beckham e Bill Clinton.
O Tickets está localizado em uma antiga concessionária de carros na concorrida Avinguda del Paraŀlel.
Foto: Tickets
Diante da Espanha ‘cañí’ (típica) e dos elementos básicos do tradicional bar espanhol, constituído por máquinas de jogo, guardanapos personalizados e palitos, muitos bares apostam na renovação. Vão se modernizando pouco a pouco enquanto ganha espaço o conceito de ‘ibar’ – local que ganha relevância com opiniões positivas publicadas na internet. Esses novos ‘ibares’ lançam ofertas suculentas online e usam as redes sociais para mostrar suas especialidades e receber ‘feedback’ dos clientes.
“Os bares são como as igrejas: o altar é o balcão; o sacerdote, o ‘barman’; e a oferenda, o coquetel”, afirma Javier de Las Muelas, cujo estabelecimento Dry Martini, em Barcelona, está na lista dos 50 melhores bares do mundo. Com uma estrela Michelin, a cultura do ‘tapeo’ ganha uma nova dimensão no Tickets, também em Barcelona. Dirigido por Albert Adrià, irmão do chef Ferran Adrià, transforma as ‘tapas’ em uma experiência surpreendente. Possui seis balcões, cada um com um conceito gastronômico, nos quais é possível saborear de carnes a doces. Aqui, o cliente passa a ser quase um degustador profissional, provando sanduíches como os ‘miniairbags’ recheados de queijo manchego ou o ravióli fluído.
“A Espanha é o belo país das canções e do vinho”, disse o escritor Goethe. E no bar, ambas as coisas estão garantidas.

Artigos relacionados

33 habitantes, 30.000 livros

O viajante pode trocar um livro por outro. Essa é a filosofia da pequena cidade de Quintanalara, na província espanhola...

Serra de Tramuntana, inspiração nas alturas

Parece pecado falar de Mallorca sem mencionar suas praias. Mas não é. A maior das Ilhas Baleares também oferece alternativas...

É o ano de saborear Huelva

Choco, jamón, camarão, morango, vinho… Huelva foi nomeada “Capital Gastronômica Espanhola 2017”. Chegou a hora de se sentar à mesa:...

Bar mais bonito do mundo

A coquetelaria Blue Wave, na nova marina de Barcelona (Espanha), foi a vencedora mundial do último “Restaurant & Bar Design...