>>>O rio onde o arco-íris acontece debaixo d´água
Foto: Mario Carvajal

O rio onde o arco-íris acontece debaixo d´água

Amarelo, azul, verde, vermelho e negro. Seis meses por ano, debaixo das águas de Caño Cristales, na Colômbia, estende-se um tapete de cores.
C

olômbia é realismo mágico graças a García Márquez e a lugares como Caño Cristales. Um paraíso terrenal com cores que parecem irreais. “O rio mais belo do mundo. O rio onde o arco-íris se afogou. O rio que fugiu do paraíso. O rio das cinco cores.” Com todos estes adjetivos, o jornalista colombiano Andrés Hurtado García batizou o rio mais peculiar de seu país quando o descobriu nos anos 70. Naquela época, era um segredo escondido dos visitantes. Decorridos 40 anos, transformou-se em um dos anúncios de ecoturismo mais conhecidos da Colômbia. Apesar de ter sofrido várias décadas de isolamento devido a conflitos armados, seu acesso foi regularizado em 2010.

Encontra-se na formação rochosa Escudo Guayanés, que surgiu há 1.200 milhões de anos, sendo uma das áreas mais antigas do planeta. A sua origem é anterior à dos Andes e compreende vários países, entre eles a Venezuela, o Brasil e a Colômbia. Neste ambiente de florestas tropicais, escondem-se cerca de 15% das reservas de água doce de todo o planeta. Nesta porcentagem, destaca-se este caño, como por aqui são denominados os rios de trajeto curto da serra La Macarena, no departamento de Meta (Colômbia).

A escapada de dois dias (sem voo) a Caño Cristales custa 473 USD.
Foto: Mario Carvajal

100 % natural

A Serrania de La Macarena pode orgulha-se de ser um dos lugares com maior riqueza de fauna e flora do mundo, com mais de 1500 espécies de plantas e 800 animais. Aí habitam aves primitivas, tamanduás, onças… mas não peixes, incapazes de sobreviver nestas águas sem sedimentos.

Em nenhum de seus trechos supera os 20 m de largura e atinge um percurso total de 100 km, medidas mais que discretas. Então, o que torna tão especial o Caño Cristales? Durante aproximadamente seis meses por ano, oferece uma explosão de cor debaixo d’água, o que o tornou indispensável nas listas de “lugares a visitar antes de morrer”. Com o fim da estação das chuvas, em julho, o nível da água desce. É nesta altura que a planta aquática Macarenia clavígera encontra as melhores condições para florescer.

Os tons vermelhos e fúcsias atingem o esplendor entre setembro e novembro, até começar a fase reprodutiva. O parque permanece aberto de julho a novembro, mas o acesso é controlado e limitado a 20 pessoas por dia. É um turismo responsável regulamentado pela Corporação para o Desenvolvimento Sustentável da Área de Manejo Especial La Macarena (Cormacarena), que também pretende preservar as pinturas rupestres, ainda inexploradas, da região.

Caño Cristales fica no norte do município de La Macarena.
Foto: Mario Carvajal

O Caño Cristales pertence ao Parque Nacional Natural Serra de La Macarena, criado em 1971, e está sob responsabilidade do governo colombiano, que o protege e promove. “O rio é um símbolo do ambiente da nação, um lugar onde confluem a Orinoquia, a Amazônia e a Floresta Andina, e uma das áreas de interesse ecológico mais antigas da América do Sul”, garante o Ministério do Ambiente.

A serrania de La Macarena tem 17 dos 62 ecossistemas da Colômbia.
Foto: Mario Carvajal

A 150 km ao sul de Bogotá, existem várias opções para visitar as águas coloridas do rio: pacotes de dois a seis dias com saídas de Villavicencio, Bogotá ou Medellín; em La Macarena, há várias opções de hospedagem, e daqui até o caño, é preciso embarcar em uma aventura total: um primeiro trajeto de lancha pelo rio Guayabero (20 minutos), outro a cavalo pelo Llano (50 minutos), e uma caminhada de uma hora até a entrada do rio. A recompensa: um paraíso a céu aberto, tão escondido que nem o Google Maps consegue localizar.

Artigos relacionados

Cartagena já tem quem lhe escreva

A família de Gabriel García Márquez anunciou que os restos mortais do Prêmio Nobel repousarão, finalmente, na cidade caribenha, onde...

Um luxo colonial

O Hotel Four Seasons Hotel Casa Medina, em Bogotá, foi reaberto em outubro de 2015, depois de uma restauração milionária....

Tome um banho (de floresta)

Para fazer terapia, não é preciso deitar no divã. No Japão, o melhor método antiestresse é passear entre as árvores...

As ilhas do fim do mundo

No oceano Pacífico, as Ilhas Marquesas flutuam como fragmentos de um mundo perdido. Não é o paraíso dos resorts, mas...