>>>Moçambique, mar e cravos
Mulheres Makua dão as boas-vindas a um grupo de turistas exibindo suas tradicionais máscaras de cara branca.
Foto: Alberto Loyo / Shutterstock, Inc.

Moçambique, mar e cravos

Moçambique são suas ilhas e praias, areias camaleônicas, Índico caloroso. Com um passado português e uma primavera independente ainda florescentes. De Maputo, a capital, às suas praias.
N

o poema “Súplica”, a poetisa moçambicana Noémia de Sousa pede que lhe tirem tudo, menos a música. “Podem desterrar-nos, levar-nos para longes terras, vender-nos como mercadorias, acorrentar-nos à terra, do sol à lua e da lua ao sol”, escreveu. “Mas seremos sempre livres se nos deixarem a música.” A escritora se referia à região com que Vasco da Gama se deparou ao cruzar o cabo da Boa Esperança em sua nau São Gabriel, onde o mapa terminava e o sonho das Índias começava. À mesma costa que veria de longe, na década de 1970, o desenrolar da Revolução dos Cravos de Portugal e que seria uma das protagonistas da primavera de independência de suas colônias. A essas praias, como definiria seu compatriota e escritor Mia Couto, “nos confins do mundo, onde o tempo descansa, a terra se desnuda e os deuses rezam”. A Moçambique, país que ainda floresce e em cuja capital, Maputo, ouvem-se ecos de revoluções diluídos na música “marrabenta”, mistura de ritmos tradicionais e ocidentais.

Em Moçambique, ainda é possível apreciar pratos típicos que sobreviveram a séculos de influência portuguesa. Um dos mais representativos deste grupo é a matata, refogado de marisco e amendoim servido com arroz. Aliás, quase tudo é comido com arroz no país, desde os mexilhões, que também levam leite de coco, até o frango picante ao molho piripiri.

The aerial views of the Mozambique seashore.
A vista aérea desta pequena ilha tropical na África, em que predominam tons de verde e azul, é impressionante.

Também pode ser notada em Mafalala, símbolo da revolução. Por suas vielas corriam descalços filhos de imigrantes que chegavam à cidade no começo do século XX. Intelectuais que bradavam contra a colonização portuguesa reuniam-se ali, sob os tetos de zinco das humildes casas da região, de cujas entranhas brotou a independência. O bairro de Mafalala é o coração de Maputo, a capital, hoje atração turística com locais de música ao vivo e uma cultura que se mantêm como essa imprescindível gasolina do fogo das revoluções.

Mia Couto, compatriota da poetisa, também escreveu: “Nos confins do mundo, onde o tempo descansa, a terra se desnuda e os deuses rezam”. Versos que dedicava a Moçambique, à praia, a um país que, ainda hoje, continua florescendo. Se em Maputo ainda é possível ouvir o eco de revoluções e ritmos de música de marrabenta, fusão dos ritmos tradicionais e da influência ocidental; às suas margens, permanece a certeza de um Índico cálido que acolhe e provê. Porque este país do leste africano é feito, essencialmente, de suas praias e ilhas. De seus bancos de areia branca que mudam de aparência como um camaleão que se transforma com o sol.

A woman at the Barra beach.
Uma mulher transporta produtos na cabeça que são tradicionalmente vendidos na praia da Barra.
Foto: Erichon / Shutterstock, Inc.

Do arquipélago das Quirimbas, ao norte, com ilhas como Quipaco, Quisiva e Mefundo e que lembra Macondo – cidade fictícia do romance “Cem Anos de Solidão”. Do realismo mágico de suas terras de pescadores e agricultores. De um mar que permite pescar, mergulhar entre corais e peixes e navegar em um dhow, mesmo barco a vela usado pelos árabes ao ampliar os domínios do Islã. Ou de deitar nas areias da ilha Bazaruto, ao sul, sem ruas, longe do concreto, admirando a beleza dos flamingos nos mangues e reescrevendo os versos da poetisa, mas, desta vez, suplicando que as terras moçambicanas nunca deixem de existir.

Artigos relacionados

“Você deixa tudo para trás para embarcar em uma viagem da qual não sabe se vai voltar.”

Depois de dar a volta ao mundo a pé, Nacho Dean não se imagina em um emprego convencional. Mas antes...

Ibiza torna-se íntima

A capital mundial da festa pode transformar-se num oásis só para dois. Mostramos-lhe o lado menos conhecido da ilha da...

Ilhas Cayman, não apenas para milionários

Que razões existem para visitar as Ilhas Cayman, mesmo que você não tenha milhões para abrir uma conta nos bancos...

Descubra o norte da Argentina em sete cores

Reza a lenda que as crianças da cidade de Purmamarca, entediadas com o monocromatismo de sua colina, dedicaram sete noites...