>>>Las Vegas aposta no amor

Las Vegas aposta no amor

É possível visitar a ‘cidade do pecado’ sem cometer nenhum: nem casar-se fantasiado de Elvis, nem jogar tudo na roleta. Impossível é aborrecer-se ou não estar bem acompanhado.
Las Vegas não é Paris, nem Veneza, mas o amor guia até lá milhares de pessoas. Todos os anos, na cidade dos cassinos, emitem-se mais de 100 mil licenças de casamento, o que significa que, por dia, quase 300 casais escolhem esta cidade para dizer ‘sim, aceito’. O amor brilha num letreiro de néon e, nos cassinos, aposta tudo no ás de coração.
Os casais que viajam para Las Vegas, porque acreditam que chegou o momento da relação passar pelo altar, não precisam procurar uma capela para se casarem. Eles podem trocar alianças dentro ou perante o aquário do Hotel Silverton ou jogando minigolf ao ritmo do grupo de rock Kiss, no Hotter than Hell Wedding Chapel. Os amantes apressados têm a possibilidade de se casarem no drive-thru, sem sequer sair do carro.
Slotzilla passa mesmo por debaixo do Viva Vision, na Fremont Street

As cidades do amor

Uma viagem a Las Vegas inclui uma visita a Paris e a Veneza. O Hotel Paris tem uma reprodução da Torre Eiffel com 165 metros de altura, metade da original; e no The Venetian pode dar um passeio romântico pelos seus canais, com o gondoleiro incluído.

Dizem que quando se quer mesmo outra pessoa, esse querer é válido na saúde e na doença. Aqueles que a este dizer juntam a frase ‘na terra e no céu’, escolhem Slotzilla para se casarem, uma tirolesa que atravessa a Fremont Street por debaixo da pantalha Viva Vision, a maior tela de vídeo do mundo. Porém, os casamentos de altos voos têm como palco preferido o Sky Combat Ace, um avião de combate para culminar um romance em estilo Top Gun. Os noivos vão acompanhados por um piloto profissional para que o casamento não acabe antes do tempo. De outro modo, a queda seria semelhante à queda livre, controlada a partir do 108º andar do Hotel Stratosphere. Este é o local que outros casais escolhem para se unirem em casamento: uma descida de 260 metros, para pensarem bem no assunto.
Os que não desejam a adrenalina como padrinho de casamento, escolhem um jantar romântico em frente às fontes do Bellagio, no bistrot, de comida francesa Mon Ami Gabi, e terminam a noite no Chandelier Bar do Hotel Cosmopolitan. Contudo, no infinito jogo do amor os festejos não encerram com a chegada do dia. Em Las Vegas a festa continua ao brunch com o bottomless ou boozy brunch e com o bar aberto. A Party Brunch do LAVO, no Hotel The Venetian, inclui waffles, tortas, champanhe, confetes e D’js. É claramente a melhor maneira de continuar a festa. Ou de começá-la! Até porque já se sabe que “o que acontece em Las Vegas, fica em Las Vegas”.
Sky Combat Ace permite-lhe pilotar aviões de combate
No restaurante LAVO o brunch é uma festa

Artigos relacionados

Lugares para regressar ao passado

Mercados, hotéis, lojas e restaurantes vintage onde os órfãos da máquina do tempo encontram o ambiente de épocas passadas e...

Sobre as serpentes de Kerala

No sul da Índia, a água dos lagos dança ao ritmo dos remos. São as regatas de barcos de Kerala,...

Bodrum, Saint-Tropez da Turquia

É o “paraíso de azuis eternos”, segundo Homero. Dez séculos depois, a cidade portuária turca atrai, por outros motivos, curiosos,...

Festejando como Gatsby

El personaje creado por Scott Fitzgerald hubiera sido el perfecto anfitrión de la Jazz Age Lawn Party: un ‘viaje’ a...