>>>Imperturbável Comporta
Quem conhece bem o lugar sabe de cor os nomes dos golfinhos que se deixam ver em liberdade no estuário do rio Sado.

Imperturbável Comporta

A área portuguesa de Comporta é diferente das típicas cidades litorâneas que conhecemos justamente porque não parece ser como elas. Esqueça as comparações com Ibiza, Saint-Tropez e Marrakech.
H

erdade da Comporta, em Portugal, é um lugar ideal para passar o tempo. Seu ponto forte é justamente ser um lugar de descanso. A uma hora de Lisboa, abriga casas de famosos como o estilista Christian Louboutin, que sente enorme afeto por esse território da região do Alentejo. “Há algo mágico nesta paisagem tão bonita e selvagem. Aonde quer que você vá, fica a sensação de voltar à Idade Média.”

Em oposição ao vertical e amontoado Mediterrâneo, o espaçoso Atlântico apresenta-se como uma alternativa cada vez mais glamorosa para passar momentos relaxantes. Além de Louboutin, o litoral do distrito de Comporta, na cidade de Alcácer do Sal, também funciona como refúgio para a rainha da Jordânia, Rania, o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy e a atriz Kristin Scott Thomas, personalidades que têm feito do lugar um novo paraíso eco-chic.

Praia da Comporta, Comporta
Atrás da Praia da Comporta, há uma duna natural que fica a dez minutos andando dos resorts ecológicos da região.

Arquitetura dos arrozais

As restrições impostas à planificação urbana do local revelaram-se uma boa forma de manter a paisagem intacta. Propriedades como 3 Bicas e Sublime Comporta, por exemplo, conservam o estilo único das casas da região. De forma geral, prevalecem os espaços abertos, uma decoração boêmia e casual, paredes de vidro para apreciar a paisagem e poucos móveis em cada ambiente.

O nome Comporta significa “porta que retém água”, o que faz sentido ao ver os canais que invadem seus imensos campos de arroz e que são também os maiores de Portugal. Para chegar lá, é preciso percorrer uma rota cheia de aldeias sacudidas por um sol implacável e que dormitam em meio a vinhedos e à poeira. Junto ao estuário do rio Sado, a cerca de 100 quilômetros ao sul de Lisboa, fica Herdade da Comporta: superfície de 125 quilômetros quadrados muito bem conservados por pertencer a uma reserva natural.

Arrozais, flores silvestres e campos cobertos de pinheiros se mantêm verdes o ano inteiro. Seus poucos alojamentos consistem em cabanas sem pretensões, de pouca altura e com tetos de palha. Projetos como Casas na Areia, residências com chão de areia em alguns ambientes, e Cocoon Lodges, chalés em forma de cubo de madeira escondidos entre os pinhais, integram-se perfeitamente com a natureza por meio de um luxo discreto. Vizinho de Louboutin, o artista Jason Martin vive em Comporta porque considera que é o “último oeste selvagem da Europa”.

Casas na Areia, Comporta
Trilhas de terra conectam as cabanas do projeto Casas de Areia. Ali, não há grades nem asfalto.
Foto: Casasnaareia by the architecture photographer Nelson Garrido

“Cuidado com o coentro”

É possível ver esse aviso em qualquer um dos cinco restaurantes da propriedade Herdade da Comporta, entre eles o Museu do Arroz e o Comporta Café. Neles, algumas das opções de pratos são amêijoas com salsinha, salada de tomate e cebola doce ou arroz com marisco e coentro, claro. É a gastronomia portuguesa nascida no mar.

Os dias passam sem pressa e giram em torno a atividades praianas. Os mais corajosos arriscam-se a fazer surfe nas águas frias do Atlântico, o que costuma exigir roupa de neoprene. Outros passeiam de bicicleta entre os arrozais, andam a cavalo ou reservam algumas horas a observar golfinhos no estuário do Sado.

No verão, a população de 3.500 habitantes se duplica e os moradores mais velhos sentam-se em cadeiras de plástico nas ruas para ver turistas estacionando carros de luxo. Aos domingos, na mesma estrada que faz a ligação com as praias, barraquinhas improvisadas de melancia, tomate e alcachofra vão se amontoando. Durante a semana, a quietude volta a reinar. Doze quilômetros de praias para ser feliz. As mais bonitas são Comporta, Pego e Carvalhal. Dos três bares que existem neste vasto território de areias de cor baunilha, um dos mais animados é Sal, na Praia do Pego, onde se costuma passar a tarde e pairam as seguintes palavras do escritor Fernando Pessoa: “Nunca se deve fazer hoje o que se pode deixar de fazer também amanhã”.

Puerto de Carrasqueira, Alentejo
Os barcos presentes no porto da Carrasqueira serviram de cenário para uma das campanhas de marketing da marca Louboutin.
Foto: ARoxoPT shutterstock.com

Uma visita ao porto da Carrasqueira, lugar bastante pictórico por seu cenário de tábuas, barcos, palafitas e acessórios de pesca, lembra que o lugar já estava dominado por pescadores, agricultores e fabricantes de sal antes de que chegassem todos os seus atuais visitantes.

As cegonhas e os flamingos que circulam pelo estuário dizem adeus aos visitantes. E quando todos vão embora, Comporta permanece serena entre os arrozais, os telhados de palha e a sombra cobalto do Atlântico. E assim continuará.

Artigos relacionados

“São as pessoas que fazem as cidades.”

Com notas tradicionais e acordes contemporâneos, a fadista Raquel Tavares e o músico e compositor Rodrigo Leão trabalham na partitura...

Portugal se consagra no firmamento culinário

Inúmeros restaurantes premiados em um ano. O guia “Michelin” reconhece o imparável progresso da gastronomia lusitana. Descubra os nomes que...

As nove ilhas da adrenalina

Famoso pela presença de baleias, o arquipélago dos Açores é um parque multiaventuras para praticar esportes em terra, mar e...

Histórias de rua

Lisboa brilha espelhada no rio Tejo, em cujas renovadas margens os lisboetas passeiam orgulhosos da cidade em que vivem. O...