>>>Especialidade chilena: o astroturismo

Especialidade chilena: o astroturismo

Temos o palco perfeito para desfrutar do turismo astronômico em companhia. Milhões de estrelas decoram o céu do deserto de Atacama.
Um terço dos telescópios do planeta concentra-se no norte do Chile. Este país sul-americano concentrará quase 70% da capacidade de observação astronômica mundial quando ali for instalado o E-ELT (European Extremely Large Telescope). A razão tem a ver com o fato de o melhor lugar do mundo para a observação do cosmos estar no deserto de Atacama, fruto dos seus céus limpos e desanuviados durante mais de 300 dias por ano. O clima seco do deserto converteu o Chile num laboratório natural para astrônomos de todo o mundo. Projetos como o E-ELT, um telescópio terrestre inovador, pensado para revolucionar o mundo da astronomia, colocam o país sul-americano na vanguarda da ciência.
O Cerro Mamalluca é o primeiro observatório de aficcionados do Chile com fins turísticos.
Foto: Felipe Cantillana, Prochile, Fundación Imagen de Chile(FICH)
Mas a observação das estrelas não está reservada somente aos profissionais. Aficcionados e viajantes erguem cada vez mais o olhar para o céu estrelado. Nasceu o astroturismo. O Chile possui observatórios destinados principalmente ao turismo. Muitos dos cientistas abrem também as portas dos seus laboratórios, embora geralmente o façam unicamente durante o dia.
No observatório de Mamalluca, no vale de Elqui, organizam-se visitas todas as noites. Graças às explicações do guia, os astros parecem um pouco mais próximos. A imensidão das galáxias, nublosas e constelações ficam menores para quem as observa através do
O projeto ALMA juntou parcerias de quatro continentes.
Foto: Blas Tomic E., Fundación Imagen de Chile (FICH)
telescópio doado pelo Observatório Interamericano Cerro Tololo. É um dos centros mais antigos do hemisfério sul. Em 2013 celebrou o seu 50º aniversário.
O European Extremely Large Telescope (E-ELT) estará situado no Cerro Armazones, a 3060 metros de altura.
Foto: Observatorio Europeo Austral (ESO), Fundación Imagen de Chile (FICH)
Embora agora tenha se tornado no destino preferido dos astroturistas, o interesse pelos céus nestas terras remonta a muitas gerações. Os povos indígenas baseavam muitos dos seus costumes naquilo que eles interpretavam das estrelas e tinham o seu próprio sistema para identificar as constelações. O Observatório de Arque Astronomia Andina Paniri Caur, nos arredores de Chiu Chiu, fundamenta as suas explicações para descrever o que se vê na escuridão da tela celestial nas duas cosmovisões, na dos atacamenhos e na moderna. Usam cartas astrais andinas e um telescópio de 14’’ para fazer uma viagem não apenas espacial, mas também temporal e até mística.
Para os que, como os andinos, não precisem de mais instrumentos do que meramente os olhos para desfrutar do manto celestial há, nas regiões de Vicunha, no Vale de Elqui, a possibilidade de acampar no deserto, dormir em domos ou mesmo ao relento. Para os sibaritas, a melhor opção é o glamping, uma vez que tem todas as vantagens de dormir ao ar livre, mas sem renunciar a nenhum luxo. Tudo para desfrutar à fogueira de um jantar com queijos e vinhos chilenos e o mais bonito dos tetos: a Via Láctea.

Artigos relacionados

“Gravidade zero” em poucos segundos

Quem nunca se imaginou flutuando como um astronauta? Viajantes mais atrevidos transformam esse sonho em realidade a bordo de voos...

FOTOS NÃO

Na entrada está pendurado um cartaz “Proibido tirar fotografias” ou, simplesmente, “Proibida a passagem”, mas para os ouvidos dos fotógrafos...

“O homem não existe nu”

Seja em seu programa de televisão, “City Tour”, ou como reitor do Campus Creativo da Universidade Andrés Bello, Federico Sánchez...

Cidades de autor

A capital do país mais longo e estreito do planeta renasceu várias vezes. Cosmopolita e acolhedora, faz um convite para...