>>>Como participar de seu filme preferido
Foto: Secret Cinema/Mike Massaro

Como participar de seu filme preferido

Quer voltar para o futuro em um carro DeLorean ou sucumbir ao poder da força no bar Mos Eisley da cidade fictícia de “Star Wars”? Saiba como (não é preciso ter óculos 3D).
A
visar a mocinha do filme de que o assassino está atrás dela, convencer o protagonista de que tudo vai acabar bem ou pegar uma espada e ajudar a derrotar as tropas stormtroopers na batalha de Endor da saga “Star Wars”. Quem nunca teve vontade de atravessar os telões que nos separam de nossos heróis e ajudá-los a se dar bem? Com a Secret Cinema, isso é possível.
Esta empresa de Londres, no Reino Unido, conseguiu derrubar fronteiras, envolver o espectador e transformar o cinema em uma experiência participativa. Nas suas projeções, podemos passear pelos cenários dos filmes e interagir com os personagens. Dançar ao lado de Baby e Johnny no resort Kellerman em “Dirty Dancing: Ritmo Quente”, cantar em alto e bom som como Marty McFly em “De Volta Para o Futuro” ou curtir os brinquedos do parque de diversões da última cena de “Grease”.
Um exército de stormtroopers recebeu os espectadores em uma gráfica abandonada, onde foi projetado o filme “Star Wars: Episódio V - O Império Contra-Ataca”.
Foto: Secret Cinema/Paul Cochrane

Guardar segredo

O filme começa no momento em que se compra a entrada. Para revelar o local e a vestimenta necessária, também se usa a criatividade participativa. No apocalipse zumbi de “Extermínio”, por exemplo, o aviso chegou sob a forma de um encontro em um hospital. E, nessas produções, só há uma regra: é proibido tirar fotos.

A Secret Cinema recria totalmente o universo dos filmes. Escolhe localizações secretas e transforma esses lugares em cenários, a Nova York dos anos 1980 entre eles. No entanto, a atmosfera vivida não é feita apenas de elementos cenográficos. A ambientação também é fundamental. Todos os participantes devem ir vestidos para a ocasião: saias de cintura com elástico, jaquetas de couro e penteados dos anos 1950 para “Grease”; calças boca de sino para “Os Embalos de Sábado à Noite”; casacos de pele para “O Grande Hotel Budapeste”.
O cinema imersivo surge como uma resposta a uma necessidade dos espectadores. Uma geração que já não se satisfaz com a experiência passiva na cadeira, segundo os criadores da Secret Cinema. A ideia vai além de projetar produções cinematográficas para pessoas vestidas com roupas de época. O cinema mistura a música, a arte, o teatro e a dança com o fenômeno da nostalgia de outros tempos. Há atuações ao vivo, atores que recriam as cenas míticas dos longas-metragens e um público engajado que não perde a oportunidade de participar.
A entrada de “Dirty Dancing” custava 68 libras (cerca de 267 reais).
Foto: Secret Cinema/Camilla Greenwell
Esse processo foi feito com clássicos como “Casablanca”, “Lawrence da Arábia” e “O Grande Hotel Budapeste”. Mas os que fazem maior sucesso entre o público são os blockbusters dos anos 1980. “Dirty Dancing” conseguiu inclusive entrar para a lista dos dez filmes mais populares do Reino Unido deste verão. Estes “contadores de histórias, inventores, exploradores, criadores, empreendedores culturais e cinéfilos”, como se autodefinem, sabem diluir pouco a pouco a barreira entre a realidade e a ficção. E também fazer dessa façanha um negócio rentável.
Na projeção de “Extermínio”, foram usadas camas de hospital no lugar de poltronas.
Foto: Secret Cinema/ Olivia Weetch
Os amantes do cinema concordam. “Agora, sempre que assistir a esse filme, vou pensar: estive lá!”, comenta um dos espectadores da primeira projeção do obra “De Volta Para o Futuro” nesse novo formato, realizada na região de East London (Reino Unido). Vestidos como nos anos 1950, fizeram a mesma viagem ao passado que o protagonista do filme. Há quem observe com receio esse êxtase coletivo. Mas Marty McFly tem algo a dizer: ”suponho que ainda não estejam preparados para isso, mas seus filhos vão adorar”.

Artigos relacionados

Deus salve o punk

“Viva rápido, morra jovem”. Essa é a filosofia punk. Contradizendo seu próprio lema, o movimento não morreu e celebra em...

Cork ao ritmo de jazz

Cerveja preta e muita música: dois dos principais símbolos da “ilha esmeralda”, como a Irlanda é conhecida, compõem o Cork...

Verão perpétuo

É muito mais do que um restaurante. É um parque, um terraço, um festival de música, um sports bar. E...