>>>Chicago, de ganster a hipster
Os clubes de jazz protagonizam a noite de Chicago. No Green Mill, um dos locais mais antigos da cidade, um cartaz avisa: “Al Capone bebeu aqui”.
Foto: neal-kharawala__Unsplash

Chicago, de ganster a hipster

Chicago é hipster até na tentativa de não parecer que é. Os modernos não fazem barulho: andam de bicicleta, comem cachorro-quente e bebem cerveja artesanal enquanto curtem música em locais remodelados.
J

unto com Portland, Austin, Nova York e São Francisco, Chicago está na lista dos municípios mais modernos dos Estados Unidos. Mesmo assim, a autoproclamada cidade do vento foge dos estereótipos e tenta não mostrar muitos excessos trendy. A partir do célebre lago Michigan, é possível contemplar o lar dos primeiros arranha-céus e do segundo prédio mais alto do país, a torre Willis Tower, reconstruída depois do grande incêndio de 1871.

Sobretudo no cinema, Chicago já é uma velha conhecida de todos por sua história de crime organizado durante a época da lei seca, entre 1919 e 1933. Existem até roteiros turísticos para visitar lugares emblemáticos ligados aos lendários gângsteres Al Capone e Bugs Moran, unidos aos contemporâneos hipsters pelo amor ao submundo decadente.

Interior Sawada Coffee en Chicago
No Sawada Coffee, espécie de pavilhão industrial famoso entre a comunidade hipster, há bebidas únicas como a Military Latte: mistura de chá japonês e café expresso que é o carro-chefe da casa.
Foto: patrick-tomasso_Unsplash

Irredutível American taste

O restaurante Bangers & Lace representa o amor de Chicago pela salsicha e a cerveja de qualidade – coisas que nunca saem de moda. Lojas de rosquinhas artesanais, restaurantes veganos e menus ecológicos convivem com as gordurosas pizzas da Lou Malnati’s Pizzeria e o melhor cachorro-quente do país desde 1948: o do Superdawg.

Além de grandes eventos como o festival de música Lollapalooza ou o encontro gastronômico Taste of Chicago, sua vida cultural é ditada por inúmeros clubes de jazz e pequenos centros culturais com exposições, shows e peças teatrais. Dos mais de 200 teatros de Chicago, a maioria abriga companhias independentes e tem capacidade para menos de 70 pessoas. O Steep Theatre e o The House são apenas dois exemplos.

A autenticidade de Chicago reside na sua falta de pretensões e na grande variedade de subgrupos e culturas que abriga. “Aqui, as pessoas vivem de maneira muito pessoal; um estilo que é discreto, não óbvio e nada exagerado”, afirmam Shane Gabier e Christopher Peters, formados na Escola do Instituto de Arte de Chicago e fundadores da marca Creatures of the Wind.

Edificio Flat Iron Arts Building en Chicago.
Uma vez por mês, mais de 30 galerias participam do evento Pilsen East Artists’ Open House, no Chicago Arts District. Nesse dia, é possível visitar estúdios, ver obras de arte e assistir a performances.
Foto: David Hilowitz via VisualHunt.com

Wicker Park é um dos bairros mais modernos dos Estados Unidos e funciona como um viveiro de ideias desde os anos 1980. No cultuado filme “Alta Fidelidade”, era ali onde ficava a loja de discos de Rob Gordon, personagem interpretado pelo ator John Cusack. Ao longo dos últimos anos, o bairro tem sofrido uma série de liftings e acabou sendo transformado no território perfeito para moradores cool. A zona delimitada pelos cruzamentos (um total de seis esquinas) das avenidas Damen, Milwaukee e North acolhem a mítica sala de shows Double Door, a loja de vinis de espírito second hand Reckless Records e o icônico Flatiron Arts Building, há décadas ponto de encontro para artistas e músicos.

A vanguarda artística encontrou seu foco em Pilsen. Bairro latino da moda, tem inúmeras galerias de arte e chamativos murais ao ar livre como o vibrante “Increíbles Las Cosas Q’ Se Ven”, do artista Jeff Zimmermann. Conta ainda com taquerias (restaurantes de comida mexicana) como Canton Regio, vizinho ilustre da área já faz 50 anos, e outros pontos curiosos como a loja-museu Architectural Artifacts, com mais de 7.000 metros quadrados cheios de extraordinários objetos antigos.

Neste ano de 2017, contudo, Ukrainian Village é o bairro mais hype da cidade. Igrejas ortodoxas, museus e lugares com produtos típicos ucranianos misturam-se com lojas, restaurantes e casas noturnas como a Rainbo Club, cada vez mais populares.

Com pose esnobe e empurrada pelo vento, Chicago anda depressa, como disse o escritor Mark Twain. “É inútil o visitante ocasional tentar acompanhar Chicago. Ela supera suas profecias mais rápido do que ele pode realizá-las. Esta cidade é sempre uma novidade porque nunca é a Chicago que você viu quando esteve lá pela última vez.”

Artigos relacionados

Monumentos de Lego

Mais de 64.000 peças de Lego protagonizam a exposição “Brick by Brick” do Museu da Ciência e Indústria de Chicago,...

A breve e assombrosa vida de Bowie

David Bowie, o Duque Branco, não morreu, nem está a caminho do espaço: continua em Nova Iorque, no Soho, entre...

Oslo: planos baratos na cidade mais cara

Oslo, presença recorrente nas listas das capitais europeias mais caras, tem uma alma generosa e econômica: os seus parques, os...

A melhor festa da terra

Uma vez por ano, metade do deserto sul-africano monta uma cidade efêmera dedicada à arte e cuja única premissa é...