>>>Austin, a filha rebelde do Texas
Foto: Andy Forde

Austin, a filha rebelde do Texas

Define-se a si mesma como “uma mistura entre a boa educação e um certo toque de fanfarrice do Texas”. Austin vai em contracorrente... e gaba-se disso.
É, segundo a Forbes, juntamente com Seattle e Washington, uma das três cidades mais cool dos Estados Unidos. Enquanto muitos texanos se mostram orgulhosos do “’Everything is bigger in Texas”, em Austin a população está encanta por ser diferente, estranhos, como sublinha o slogan da cidade: “Keep Austin Weird”. (Mantém Austin estranho).
Austin, apelido do fundador do Texas (Stephen F. Austin), consolidou-se como uma Sillicon Valley do sul com empresas de alta tecnologia e uma população jovem que adora os esportes nos mais de 30 lagos que a cidade tem. Prefere as biblicletas aos hummer dos cowboys, os atrelados de comida aos restaurantes de etiqueta e, sobretudo, a música ao vivo nos 365 dias do ano. Está oficialmente reconhecida como a capital mundial da música ao vivo.
Os habitantes de Austin preferem os truck foods de comida. Há cerca de 2000 espalhados pela cidade.
Foto: Lars Frazer

As águas de Austin

Depois da separação do Texas do México construíram-se barragens no rio Colorado. Destas construções surgiram lagos como o Barton e Krause Springs. Entre os naturais sobressaem Hamilton Pool e Lady Bird, um oásis em pleno centro da cidade. Ali pratica-se caiaque e stand up paddle.

O epicentro desse sentimento é o festival South by Southwest (SXSW) que junta mais de 2000 bandas musicais, cinema, conferências e eventos interativos. É o maior festival do gênero e considera-se um dos mais influentes do planeta. Agrega mais de 250 mil assistentes, o que se traduziu, em 2015, num impacto econômico de 317 milhões de dólares. O ambiente festeiro é complementado com o Austin City Limits, o Fun Fun Fun Fest e o Blues on the Green, que se realiza no parque Zilker, o mais emblemático dos 251 parques da cidade. Ali é recorrente ouvir a canção Summertime da texana Janis Joplin, a voz rasgada da pequena loira, com voz africana, que abandonou a Universidade de Austin para submergir no álcool e nos bares da rua 6, a via principal da capital.
A capital da música ao vivo possui mais de 250 locais que programam atuações diárias. Na rua 5, The White Horse é o templo da música country. Os amantes da música indie e do punk têm o seu lugar no encontro entre a rua Red River com a Emo’s e Mohawk. E os amantes do blues encontram refúgio no Antone’s. Em volta da Universidade e do chamado SoCo (South Congress) há espaços famosos como o Hole in the wall, especializado em mulheres roqueiras, e o Continental Club onde toca o guitarrista Jimmie Vaughan, uma lenda do blues americano.
Hamilton Pool é uma piscina natural e reserva protegida. Está a menos de 50 km de Austin.
Foto: Dave Mead
Em Austin a comida também está em contracorrente. Mais do que cadeias e restaurantes luxuosos proliferam os negócios familiares e os truck foods de jovens chefes que servem as suas criações em mesas desdobráveis, com vistas para os lagos. Uma delas, Paul Qui, de origem filipina, ganhou o concurso Top Chef, enquanto o seu truck food psicodélico, um laboratório de sabores asiáticos e europeus, foi escolhido, em 2014, como o novo melhor restaurante do país.
No verão, milhares de pessoas aproximam-se da ponte Congress para ver a maior colônia urbana de morcegos do mundo.
Foto: Kushal Bose / Shutterstock.com
Austin vai surpreender-te. Possivelmente um dos seus rituais mais curiosos seja contemplar o entardecer, enquanto um milhão e meio de morcegos voam no céu. Não estamos na cidade do Batman, continuamos no Texas.

Artigos relacionados

Texas ao natural

Nem ranchos, nem rodeos, nem botas de cowboy. Prometemos não mencioná-los para falar do Texas. O que nos resta então?...

A breve e assombrosa vida de Bowie

David Bowie, o Duque Branco, não morreu, nem está a caminho do espaço: continua em Nova Iorque, no Soho, entre...

500 anos de pura cerveja

Em abril de 1516 o duque Guilherme IV da Baviera proclamou a Reinheitsgebot, a lei da pureza da cerveja. Cinco...

Nimbin: a volta aos anos 1970

Comunidades ainda ativas, trailers com o símbolo da paz e camisetas psicodélicas em plena natureza. Viajamos no tempo até Nimbin,...