>>>A bicicleta que engordou
Foto: Kaz Yakamura

A bicicleta que engordou

Os esquis agora têm adversárias à altura: as fat bikes. As rodas destas bicicletas alargaram para poderem andar em qualquer terreno, mesmo na alta montanha.
E
dward R. Jesson percorreu de bicicleta os mais de 1500 km que separam Dawson (Canadá) de Nome (Alasca) em março de 1900. Uma proeza que passou à História como a primeira grande viagem de bicicleta sobre a neve. Uma verdadeira singularidade, pois durante essa época, com a Febre do ouro, era comum que os exploradores como Jesson andassem sobre duas rodas para viajar em terra, mas passavam de trenó para cruzar os caminhos nevados.
O preço de uma fat bike ronda os 3000 ou 4000 USD.
Foto: Courtesy of Snow Bike Festival. GSTAAD/Nick Muzic

Da Califórnia ao Alasca

A origem das fat bikes não é muito clara. Embora alguns atribuam o seu início a jovens de Marin County e São Francisco (Califórnia) na década de 70, outras fontes asseguram que nasceram no Alasca como meio de transporte para a neve.

Desde esta aventura pioneira, as bicicletas continuaram a evoluir, vivendo um período de grande desenvolvimento nas décadas de 70 e 80, quando as duas rodas saíram da estrada para se aventurarem em terrenos mais difíceis. Nasciam assim as mountain bikes que, nos dias de hoje, já não necessitam de apresentação. O quadro e as rodas foram as partes da bicicleta que sofreram uma maior transformação para se adaptarem ao terreno. A sua evolução chegou até as fat bikes, com um conceito de roda do tipo mountain bike, mas muito mais larga (com pneus de cerca de 13 cm) e com uma pressão mais baixa. De fato, também são utilizadas para transpor terrenos áridos. Alargar as rodas permite que estas não se afundem no deserto. E da areia vamos para a neve. A sua utilização sobre a superfície branca tornou-se popular no norte dos Estados Unidos da América e Canadá. Habituados a precipitações sob forma de neve, os riders de regiões como o Alasca encontraram assim uma solução para não renunciar à bicicleta nos meses mais frios.
 
Na última edição do Snow Bikes Festival participaram ciclistas de 20 países.
Foto: Courtesy of Snow Bike Festival. GSTAAD/Nick Muzic
Na Rocky Mountain Bicycles (Vancouver, Canadá) desenham, desenvolvem e aperfeiçoam-se bicicletas para todo o tipo de condução, incluindo para a neve. Da sobrevivência à diversão. Assim chegaram as fat bikes ao freestyle. A última tendência é descer pistas de grande inclinação e contornar obstáculos (como faria um esquiador), ao ritmo das pedaladas. As piruetas também são permitidas: flips, voltas de 360º…
O rider Wade Simmons testando o modelo Rocky Mountain Blizzard.
Foto: Robb Thompson
“Divertíamo-nos descendo pelas pistas das motos de neve, mas vimos as rampas e era só uma questão de tempo até nos deixarmos ir por elas”, reconhece Wade Simmons, um dos três riders (juntamente com Geoff Gulevich e Noah Brousseau) que pôs à prova um novo modelo de fat bike nas Montanhas Rochosas. As suas descidas (pela encosta branca abaixo) e piruetas podem ser vistas num vídeo intitulado ‘2Fat 2Furious’.
A versão de estrada também se vai popularizando e profissionalizando. Em 2015 realizou-se o primeiro campeonato nacional de fat bikes nos Estados Unidos da América para dar conhecimento a esta modalidade de bicicleta que pouco a pouco se vai instalando na Europa. Na estação de Gstaad (Suíça) foram organizadas duas edições do Snow Bike Festival, com corridas de três dias, competições noturnas e fun rides. Para isso, dispõem de várias pistas adaptadas às duas rodas. É apenas uma questão de tempo para que estes circuitos comecem a instalar-se noutras estações de esqui e montanha. Abram alas, esquiadores!

Artigos relacionados

Diz-me como és e digo-te qual é o teu parque

O Serviço de Parques Nacionais dos Estados Unidos da América comemora 100 anos. Não há melhor momento para visitar qualquer...

Um safari dentro da cratera

Visto de cima parece a marca de um enorme meteorito que atingiu a terra. Contudo, em vez de destruir o...

Diga-me quantos anos tem e te direi como viaja

Não se viaja da mesma forma aos 20 ou aos 50. A boa notícia é que à medida que perdemos...

Lalibela: a Jerusalém etíope

Nas montanhas de Lasta, esconde-se a cidade monástica de Lalibela, cujos templos foram esculpidos em rocha vulcânica com a finalidade...